sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Sobre a Sagrada Liturgia




Nos tempos antigos o nome “liturgia” era dado a qualquer ação comum conduzida com a contribuição de uma comunidade. Os cristãos, muito cedo, vieram a dar o nome àquele ofício da Igreja durante o qual o Sacramento da Eucaristia de Seu Nascimento à Sua Ascensão ao Céu, porque nesse ofício são oferecidos dons a Deus, dons a partir dos quais a comunidade cristã contribui. Ele é chamado também de Eucaristia (isto é, “agradecimento”) porque expressa nossa atitude para com Cristo, por nossa salvação, e também por uma palavra russa, obiédnia, pelo fato de ser celebrada antes do almoço, em russo obiéd.

O sacramento da Eucaristia foi instituído pelo próprio Jesus Cristo. Na Última Ceia Ele deu a Comunhão para Seus discípulos; Eles compartilharam de Seu Corpo e Sangue sob o aspecto de pão e vinho. Cristo, por esta ocasião, lhes ordena do fazerem o mesmo em Sua memória. Os Apóstolos mantiveram sagrado esta ordem do Mestre e Senhor. 

Quando se juntavam, usavam o tempo em oração, no canto de hinos sagrados, e no partir do pão em memória de Cristo, ou seja, celebravam o Sacramento da Eucaristia - Já no tempo dos Apóstolos a principal ordem de orações e ritos da Liturgia estava estabelecida entre os cristãos por tradição oral. 

No quarto século, o Ofício da Liturgia foi escrito por São Basílio o Grande, Arcebispo de Cesarea na Capadócia, e por São João Crisóstomo (o “Boca de Ouro”), Arcebispo de Constantinopla. Neste tempo era celebrada, com a adição de várias orações, compostas por esses prelados. Muito poucos hinos entraram subseqüentemente na Liturgia. Dessa maneira veio a ocorrer que há dois ritos litúrgicos: o rito de São João Crisóstomo e o de São Basílio o Grande; mas eles são muito próximo.

A Liturgia sendo um oficio ligado a um sacramento, tem não só sua ordem estritamente prescrita, mas também a escolha dos celebrantes, a hora e o local de celebração.

A Liturgia só pode ser celebrada por um bispo ou um presbítero, e nem um bispo, nem um presbítero pode celebrar mais de uma liturgia num mesmo dia litúrgico. O celebrante deve necessariamente tomar a comunhão, e para esse ato ele deve ter-se preparado.

A hora apontada para o início da celebração da Liturgia é, por antigo costume, a nona hora da manhã. Ela pode as vezes começar mais cedo ou mais tarde, mas nunca antes da aurora nem depois do meio-dia, exceto nos dias quando a liturgia é combinada com Vésperas, o ofício da Liturgia é dividido em três partes: na primeira os elementos para o Sacramento são preparados; na segunda, os fiéis preparam para tomar parte na celebração do Sacramento e na terceira, o Sacramento em si é realizado.


Algumas notas sobre Sagrada Liturgia
por um teólogo russo

Nenhum comentário:

Postar um comentário