Vida cristã

Padre Aleksandar Mien


Desde a manhã da Ressurreição, os séculos passaram num relâmpago.

Impérios surgiram e se foram, civilizações inteiras desapareceram; revoluções militares, convulsões sociais e políticas mudaram a própria ordem do nosso mundo. Mas aquela pequena comunidade de pescadores fundada pelo judeu Jesus, da aldeia de Nazaré, a sua Igreja, permanece de pé até hoje, como um rochedo firme no meio de um mar em contínuo movimento.

E aquele credo, professado nos primeiros dias por poucas dezenas de pessoas, move hoje um bilhão de habitantes do nosso Planeta, que falam as mais variadas línguas, e deu origem a inumeráveis formas de cultura.

Quando o anúncio do Evangelho, qual suave brisa, irrompeu no cadente mundo antigo, trouxe esperança aos degradados e aos desesperados, deu novo alento e vida. O Cristianismo fundiu em si a sabedoria de Atenas e as expectativas do Ocidente ao sonho romano de uma pax universal; condenou os opressores, elevou a mulher e uma dignidade nova, provocou a erradicação da escravidão...

Mais tarde, foi ele a base da civilização e da cultura dos jovens Estados do Ocidente, que os romanos chamavam “bárbaros”, induzindo a força bruta a ceder à autoridade moral e espiritual. Aos poucos, o “fermento” cristão tornou-se, na Europa e no Novo Mundo, fonte de um novo dinamismo que marcou profundamente a cultura desses continentes.

Ao longo da História, a figura de Jesus Cristo atraiu a si pessoas aparentemente bem diferentes: dos escravos de Roma a Dante, de Dostoiévski aos pastores nômades africanos. Ele infundiu coragem aos mártires do Coliseu e força aos seus confessores do século XX.

Em cada época, o homem descobriu meios inesgotáveis de criatividade no Novo Testamento e, se os primeiros seguidores de Jesus Cristo eram simples pescadores galileus, depois, prostraram-se diante da sua cruz os espíritos mais elevados de todos os povos. A sua revelação iluminou o pensamento de Agostinho e de Pascal, o amor a ele fez surgirem os maciços das catedrais levantados pelas mãos do homem, guiou o estro criativo de poetas e artistas, suscitou as harmonias de sinfonias e corais. A imagem do Filho do Homem inspirou as obras de um Andrej Rublev, de Michelangelo, de Rembrandt. No alvorecer do Terceiro Milênio, o Evangelho, que narra a vida terrena de  Cristo, está traduzido em mil e quinhentas línguas e é lido em todo o mundo.

Mesmo quando muitos cristãos esqueceram “de que espírito”eram e a sua traição aos mandamentos do Mestre armou contra Igreja uma multidão de inimigos, o Evangelho continuou a agir nas pessoas, às vezes de modo imperceptível. Os mais sublimes ideias humanos de justiça, fraternidade, liberdade, abnegação e dedicação aos outros, a fé na vitória final do bem, o valor da pessoa humana, em uma palavra, tudo o que se opõe à evangélica, embora, às vezes, de modo inconsciente.

Tempestades e vendavais abateram-se sobre a Igreja. O amor pelo poder dos seus hierarcas e o ainda vivo paganismo das multidões, as seduções do mundo e o fanatismo ascético, os ataques dos seus inimigos declarados e os pecados dos cristãos, os dissídios e os cismas, tudo isto muitas vezes parecia pôr em risco a própria existência da Igreja. Mas ela resistiu firme, superou todas as batalhas e as crises da sua História.

O mistério dessa sua resistência está na própria pessoa de seu fundador, no Filho do Homem, o qual, como diz Paulo, “ontem, hoje e pelos séculos é sempre o mesmo”, reside nos dons do Espírito, que ainda desce sobre aqueles que lhe são fiéis.

O intelecto humano almeja a grandeza exterior, prostra-se diante da força visível, mas não é o que o Evangelho oferece ao homem. “Nós pregamos um Messias crucificado, e isto é um escândalo para os judeus e um absurdo para os gregos” dizia Paulo. O Cristianismo anuncia a todos como salvador um Deus humilhado, um Deus que se fez pequeno aos olhos “deste mundo”.

Quem quer que tenha encontrado Jesus Cristo sabe que o homem não é um viajante solitário que a ninguém pode chamar no deserto negro do cosmo, mas um filho de Deus, que com ele toma parte na realização dos seus desígnios eternos. “Aquele que é a Palavra”, feito homem na Terra, revelou aos homens a alta predestinação deles, consagrou e animou a natureza humana, semeando nela a semente da imortalidade. Na pessoa de Jesus de Nazaré, o Criador sagrado e inefável aproximou-se de nós, o que enche a vida de alegria, de beleza, de sentido. O “silêncio terrível do nada” não mais existe. Em tudo está a luz de Cristo, o amor do Pai...

Com efeito, não é uma doutrina, nem uma teoria, mas o próprio Cristo que renova continuamente o Cristianismo e o conduz para a eternidade.

Os séculos passados, desde aquela manhã da Ressurreição na Judéia, são apenas o prólogo da plenitude humana e divina da família de todos os homens, o princípio daquilo que Jesus lhe prometeu. A vida nova que o Cristianismo suscitou deu apenas os primeiros, às vezes ainda fracos, brotos; a religião da boa nova é a religião do futuro. Contudo, o Reino de Deus já existe na beleza da criação e onde triunfa o bem entre os homens, nos autênticos discípulos do Mestre, nos santos e nos verdadeiros cristãos, em todos aqueles que querem segui-lo até o fim...


Dá também a nós, ó Mestre, a força da Tua fé, a firmeza da Tua esperança, o fogo do Teu amor por Ti. E quando, perdidos nos trajetos da vida, pararmos sem saber para onde ir, concede-nos também a nós que vislumbremos nas trevas o Teu rosto. Em meio ao estridor e à balbúrdia da nossa era tecnológica, tão potente, mas ao mesmo tempo tão pobre e sem força, ensina-nos a distinguir o silêncio da eternidade, e dá-nos que nele reconheçamos a Tua voz, que ouçamos as Tuas palavras que ainda hoje nos devolvem a coragem: “Eu estou convosco todos os dias até o final do mundo”.

 pelo Padre Aleksandar Mien
do livro Jesus, Mestre de Nazaré - Editora Record

Comentários